segunda-feira, 30 de março de 2009

SOLDADO FERIDO

Estamos nos aproximando de mais uma Semana Santa, na qual os cristãos do mundo inteiro fazem publicamente um memorial dos últimos acontecimentos da vida de Jesus Cristo sobre a Terra, antes de Sua ascenção aos Céus. Somos desafiados a lembrar de Sua morte na Cruz por nós, concomitantemente ao contemplarmos o mistério de Sua ressurreição. A Páscoa é um tempo de muita reflexão e de retornar ao primeiro amor! A Páscoa é um tempo de celebração da morte e da ressurreição do Senhor por nós. Mas é também um templo de lembrar que Ele nos ensinou a amarmos uns aos outros, da mesma forma que Ele nos amou!

Somos salvos por Sua misericórdia e nao por obras das nossas mãos, mas mesmo assim alguns ainda insistem em sua própria “auto-justiça”, e ao pensarem assim, consequentemente passam a “matar” o seu irmão que, digamos assim, não é tão “santo” quanto ele. Não foi assim que aconteceu na passagem que nos conta a respeito de dois homens que subiram ao Templo para orar? (Lucas 18:9-14). A Nova Versão Internacional assim traduz a parte inicial deste texto: “A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola (…)

O Fariseu olha para o Publicano e, hipocritamente, rendia graças por ser “tão mais santo” do que aquele que aos seus olhos era um verdadeiro “lixo humano”. Assim acontece nos dias de hoje… Muitos têm uma atitude tão áspera para com aqueles que um dia caíram, pecaram ou foram embaraçados pelo pecado. Desprezam e “matam” mais ainda aqueles que, feridos, foram arrastados para dentro da lama.

A Igreja é o único Exército que abandona seus feridos em combate.”

Ao invés de lhes estenderem a mão para ajudá-los, muitos preferem lançar-lhes as pedras do seu desprezo, da sua indignação, do seu desamor e da sua falta de compaixão. E é assim que acabamos nos tornando este provérbio. Você já ouviu isto? Eu já… E pior do que já ter ouvido, pude ter o desprivilégio de sentir na pele este abandono no momento em que necessitava tanto de ajuda, de oração e de carinho das pessoas, algumas destas que diziam todos os domingos após os cultos: “Eu te amo, em Cristo Jesus”. Mas, que amor é este? Um amor superficial, somente da boca para fora, em outras palavras, um amor fingido.

Para estas pessoas é muito difícil retornar à igreja, muitos as julgam como alguém que não merece ser chamado de ‘filho de Deus’ (como se algum ser humano na face da Terra merecesse), como alguém que deve ser banido da Casa de Deus. Isto contrasta radicalmente com este Deus amoroso a Quem servimos, e Quem derramou até a última gota do Seu precioso sangue, para nos salvar. Quem compreende o valor do Sangue de Cristo, compreenderá o valor de uma alma para Deus! (E vice-versa!) Ele  ama a cada um de tal forma, que nem mesmo o amor de mãe pode ser comparado ao amor d’Ele por nós. Aleluia!

A nossa oração é para que o Senhor alcance estas vidas novamente com Seu poder, e envie soldados de volta aos que estão feridos, para os resgatar, antes que morram! Não deixe que fiéis soldados feridos morram, não lhes negue socorro, pois são servos Teus, são obreiros da Tua seara! E que isto seja para a Tua glória e para o despertamento da Tua igreja, que antes que seja tarde, venha a se arrepender pelas vidas dos seus soldados que foram deixadas para trás em plena batalha!

Soldado Ferido (Elias Silva)
Composição: Junior

Há muitos feridos...
Choram de angústia e de dor
Clamam por proteção e por paz...
Amigos que choram
Sua necessidade atende hoje
Não deixes um soldado ferido morrer!

Verta o bálsamo...
E a ferida sarará...
Protege-o com Teu manto de amor...
O pão partiremos sim
Descanso lhes dará
E toda angústia sairá
Não deixes fiéis soldados feridos morrer!

Seguindo Sua ordem
Lutaram na frente para o Rei
E o forte inimigo puderam vencer...
Mas por este esforço, Satã intentou suas vidas matar…
Não deixes um soldado ferido morrer!

Não podes olhar sem socorrer
O amor é mais forte, e faz viver
Não podes deixar um soldado ferido morrer!

5 comentários:

  1. É verdade André!
    Resta lembrar que a parábola foi contada por Jesus para que os que confiavam em si mesmos acordassem para a realidade. Estes "fariseus" também precisavam de cura. A diferença é que é necessário que sejam quebrantados antes, enquanto "a cana quebrada e o pavio que fumega" estão prontos para serem acesos pelo fogo restaurador do Espírito e reerguidos pelo Grande Jardineiro. Porém, para ambas as partes, a dor é inesquecível, assim como o olhar daquele que experimentou o abandono e a rejeição. Saiba, portanto, que esta ferida, no coração do fariseu, ainda não foi curada. Alguns do exército jamais se esquecem dos soldados feridos que ficaram para trás, por mais que se cubram de escuridão e silêncio.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado por seu comentário, Daniel! Escrevi esta postagem ao recordar-me de um tempo de sequidão e deseperança em minba vida e ministério, mas pela benignidade do Senhor, este tempo já passou, e hoje podemos sentir o cheiro das flores da primavera que já surgiram no caminho, e o doce aroma dos frutos que já temos colhido; pois "aqueles que semeiam com lágrimas, com júbilo ceifarão", e mais do que isso, poderão transmitir aos outros que "o Senhor é bom, e que a Sua misericórdia permanece de geração em geração"! Portanto, os soldados que feridos estão, Deus os curará! Os fariseus, tais como Nicodemos, poderão (nem que seja na calada da noite) ir ao encontro de Jesus, e se converterão! E Deus enchugará dos nossos olhos toda a lágrima! Maranatha!

    ResponderExcluir
  3. Meu coração se alegra muito em saber que estas feridas foram curadas pelo próprio Deus, que é capaz de curar tanto as feridas quanto a ignorância daqueles que precisam conhecer mais sobre a graça de Deus. E este episódio foi uma das maiores lições em minha vida sobre a graça de Deus, e de que importa obedecer a Deus, e não a homens. Ainda amo muito você, meu amigo, e sinto muitas saudades. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Amigo, se depender de alguns muitos soldados de hoje, a gente morre no esquecimento da batalha.
    Porque a maioria está preocupada com os despojos e comemoracões que é tipico de quem sai vitorioso, mas esquecem que Jesus faz a festa é para os feridos como o filho prodigo! Este como eu e muitos outros hoje em dia, são curados pelo proprio general que vem diretamente a nós falando ao coração cansado e sobrecarregado para que levante e arraste-se até o quartel que é a Igreja para receber medicação e alimento.Aleluia!

    ResponderExcluir
  5. Graças a Deus há ainda alguns poucos remanescentes que não vão na onda com a maioria.

    São crentes em Cristo que conhecem e vivem na prática a grande ilustração, Parábola de Jesus "O Bom Samaritano".

    Realmente o Samaritano era marginalizado e que não fazia parte da religião oficial e nem era sacerdote, porém para choque e desespero dos "religiosos" de sua época, foi o único que se importou e fez muito mais do que deveria moralmente fazer.

    Claro foi uma parábola, mas com grande possibilidade de que seja factível.

    Publiquei em meu Blog um texto de um pastor que estava amargurado com o descaso de seus pares. Por ser um texto muito triste retirei-o. Porém, a partir de agora vou postá-lo novamente.

    E nós servos de Cristo, que estamos fazendo para mudar o lugar comum em que caiu nossas denominações?

    Quantas Ações Sociais e ajudas temos feito em favor de pessoas que estão desempregadas ou envelhecidas e não tem onde se amparar?

    O quê temos feito para utilizar os espaços vazios durante a semana toda em nossos templos em favor da coletividade?

    O Evangelho não é apenas retórica. É ação prática e visível de que Cristo vive em nós!

    ResponderExcluir