sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Talvez eu queira ser religioso…

{Héber Lima}

j_0029A curta, porém maravilhosa, Epístola de Tiago, é bem conhecida pela "polêmica" em torno do assunto de fé e obras. Porém, hoje, enquanto lia, atentei para algo um pouco diferente.

"Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo."             [Tiago 1:26-27]

O texto fala sobre religião. Ora, qualquer "cristão" atento para as "atualidades" pode perceber que há um claro movimento "antirreligiosidade". Eu mesmo sou um dos defensores de tal "causa".

Devido à hipocrisia ou legalismo de uns e de outros, é normal ver gente apontando para tudo que é coisa e condenando como "religiosidade" ou "farisaísmo" (se é que essa palavra existe). Tão normal quanto ver gente apontando para tudo quanto é gente e condenando como herege ou desviado by the way.

E assim, temos tentando abolir a religião.

"Menos religião, mais Jesus!"

Um "grito de guerra" comum. Mas, talvez... Talvez estejamos abordando o assunto de forma errada, ou, ao menos, incompleta. A Palavra não condena religião em si. A Palavra condena a vã religiosidade. Mas, há espaço para religião na Palavra de Deus... Uma pura e imaculada religião.

No texto em questão, essa religião é descrita como "visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo". Antes de prosseguir, quero destacar uma curiosidade.

Apesar de entendermos religião como um conjunto de crenças e práticas, ninguém sabe ao certo de onde veio o termo. A palavra religião é derivada do Latim "religio", e tem-se atribuido a este termo significados diversos, como por exemplo "reeleição".

Uma das visões mais interessantes entretanto é a que foi inicialmente exposta por Lactâncio, e posteriormente apoiada por Agostinho.

Religião seria religare. Religião, seria reconexão. Religião, talvez, seja a reconciliação do homem com Deus. Isso tem perfeito sentido num contexto Cristão. Cristo nasceu, viveu, e morreu pra isso. Para dar ao homem uma oportunidade de se reconcliar com Deus. Para dar sopro de vida ao espírito que estava morto. Para oferecer redenção.

Cristo pregava o nascer da àgua e do Espírito. Cristo pegava o arrependimento seguido de um novo nascimento em conciliação com o Pai. E o que é arrependimento se não... voltar?

Cristo veio para religar o homem a Deus. Cristo, é o nosso religare. Cristo, é a religião da Palavra. Voltemos então ao texto de Tiago...

"Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo".

Lendo de forma literal, parece algo simples... Talvez até bobo. Alguns talvez se perguntem...

"É só isso?"

Mas, qual a essência desse texto? Se me permitem, o que eu enchergo aí é exatamente Cristo. A essência dessa passagem é o amor ao próximo, a santidade, a submissão à Deus. E quem amou mais do que Ele, que praticou o amor até suas últimas consequências... Morte.

E quem, foi mais santo e submisso do que Ele, que não teve pecado, e, sendo humano, não desejava a morte, mas para cumprir a vontade do Pai, se entregou a mesma? Cristo.

A "religião pura e imaculada para com Deus" é... "Ser Cristo". Ser "Cristão". Que, por um acaso conveniente, o Cristo em questão afirmava o seguinte...

João 13:35
"Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros."

É, bem "conveniente". "Ah, mas quando atacamos religião estamos nos referindo ao rolé das crenças e costumes e etc. e tal". Tudo bem. Mas...

E se eu creio naquilo que Cristo cria, e faço da imitação à Cristo meu costume? Isso também seria "religião". Talvez a questão não seja abolir a religião. Talvez, a questão não seja ser rebelde. Talvez, eu seja apenas "tolo, cego e nú" e tenha uma carência de entendimento.

Mas este tolo, dá graças à Deus por Sua misericordia. Este tolo, agradece ao Pai por tirar as escamas de seus olhos a cada dia que passa. Este tolo, agradece ao Pai por dar liberalmente sabedoria...

E... Este tolo talvez queira ser religioso. Este tolo talvez queira ser um firme defensor da religião. Quero menos rebelião, menos revolta... Quero mais entendimento...

Quero ir à essência das "palavras de vida eterna"... Quero mais é esse religare. Quero mais é essa religião "pura e imaculada para com Deus"! Não quero menos religião e mais Jesus. Por querer mais Jesus é que eu quero mais religião.


Mais religião, mais Jesus!

Soli Deo Gloria.

Fonte: http://falaidedeus.blogspot.com/2009/03/talvez-eu-queira-ser-religioso.html

2 comentários:

  1. André,
    Meu nome é Vitor e sou Católico. Estou começando a procurar informações sobre esse movimento: Menos religião e mais Jesus. Gostei do seu texto e por isso resolvi comentá-lo. Você chama atenção a um aspecto muito bonito da Epístola de Thiago, que eu particularmente nunca havia me atentado. "A verdadeira religião"!

    Mas fiquei confuso com um aspecto. Sua definição de religião em nada tem haver com instituições religiosas, segundo ela ser religioso é seguir e imitar a cristo. A partir dessa definição, que me parece bastante razoável inclusive, não entendo qual sua defesa. Pois me parece que o "grito de guerra" "Menos religião, mais Jesus" se confunde com seu desejo de "mais religião, mais Jesus". Pois ambos me parecem, segundo a sua definição de religião, que volto a dizer me parece coerente, me parecem gritar: "MENOS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, MAIS AMOR, MUITO MAIS JESUS".

    Paz e Luz!

    ResponderExcluir
  2. Vitor, obrigado pelo seu comentário. Apenas uma observação a mais: o texto aqui publicado não é meu; os devidos créditos pelo mesmo estão na própria postagem.

    Quanto ao seu comentário, creio que muita gente hoje nao sabe definir muito bem o que é "religião", e acabam confundindo a prática religiosa saudavél com a prática da hipocrisia e intolerância extremada. Uma coisa não tem necessariamente nada a ver com a outra. Muitas vezes (uma grande parte, inclusive) estão completamente dissociadas (Ou será que não existe hipocrisia e intolerância fora do meio religioso?). Por outro lado, não podemos negar que algumas vezes a hipocrsia e intolerância existem disfarçados/misturados de/em uma prática religiosa. E isso com certeza é um erro.

    O que não se pode fazer, jamais, é jogar fora a água suja com o bebê dentro. Em relação às "instituições religiosas" parto do mesmo princípio, elas não são intrissecamente boas ou más, pois elas são formadas por GENTE, e onde há pessoas há erros, mas também acertos. O problema está no PECADO no coração do homem, e isso vai exitir sempre independentemente na filiação/pertinência ou não a uma instituição religiosa.

    O que eu temo é que tem gente tentando "redescobrir a pólvora" ou "reinventar a roda", ignorando totalmente os erros e acertos do cristianismo em dois mil anos de história, e recusando-se a aprender com eles, mas sim subjetivando o próprio conceito de religião, e de cristianismo; vejo essa galera de cristãos "antirreligião" até como gente bem-intencionada, mas totalmente equivocada.

    Mais uma vez obrigado pelo comentário, e fique à vontade para ler e acompanhar nosso blog, se desejar. Espero que te edifique.

    Paz e Graça.

    ResponderExcluir