domingo, 13 de abril de 2014

VÍDEO – Reflexão Bíblica Sobre S. João 13:12-18.

Desafio "Lançai a Palavra!" #eunãomeenvergonhodoevangelho

Bem, depois de algumas semanas finalmente resolvi gravar e postar o vídeo do desafio "Lançai a Palavra", como me foi proposto pelos meus irmãos Fabiano Belmiro de Souza e Renata Soares. O vídeo ficou um pouco longo, mas espero que todos que assistirem sejam grandemente edificados por esta simples mas tão importante reflexão.

Da mesma forma que fui desafiado a gravar o vídeo, gostaria de lançar o convite aos meus amigos Marcos Barros, Márcio Da Cruz, Bernardo Velasco, Cíntia Pessoa, André H Infomatica, Don Felipe Araújo e o Henry Whitmann a fazerem o mesmo. Lembrando que não estão obrigados a fazerem isso, façam apenas se assim o desejarem, mas caso quiserem me presentearem com uma Bíblia de Estudo ou um bom livro teológico, fiquem à vontade! (Que me desculpem os que começaram essa campanha por alterar alguns dos seus termos, mas é que realmente não acho bacana que ninguém faça isso por obrigação nem por pressão.)

Bem, então é isso, quero que todos sejam abençoados da melhor maneira possível, e também que sejamos abençoadores! Vamos compartilhar mais da Palavra de Deus!

REFERÊNCIA BÍBLICA LIDA: João 13:12-18.

FUNDO MUSICAL: "Manso e Suave" (Lília Paz)

OUTRAS PASSAGENS MENCIONADAS (parafraseadas): "O maior, entre vocês, deve ser aquele que serve." (Lucas 22:26).

"Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta." (Mateus 5:24)

"Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo." (Filipenses 2:3)

CITAÇÃO FEITA NO VÍDEO: "Ó! Eu não rejeito seu Cristo. Eu amo seu Cristo. Apenas creio que muitos de vocês cristãos são bem diferentes do vosso Cristo." (Mahatma Gandhi)

#LançaiAPalavra
#EunãomeenvergonhodoEvangelho
#EunãoenvergonhooEvangelho

Originalmente publicado no Facebook.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

A música cristã e a Lei da semeadura

Um dos princípios bíblicos mais proeminentes na narrativa do evangelho é a lei da semeadura. Este princípio é tão latente nas Escrituras que o próprio Reino dos Céus é comparado a uma semente (Mc 4:26-29). A vida cristã possui uma centena de aplicações deste princípio, desde a simples demonstração de honra e obediência aos pais (Êx 20:12; Dt 5:16; Ef 6:1-3) que resulta em longevidade e saúde, até a sua manifestação na vida dos que, com generosidade, consagram bens ao serviço da igreja e do próximo, em ter sempre em tudo toda suficiência e superabundância em toda boa obra (At 4:32-35; II Co 9: 7,8). O próprio Senhor Jesus ensinou em Lucas 12:58-59, que devemos sempre evitar que o pior aconteça, escolhendo semear a boa semente do perdão e da reconciliação, antes que a semente da contenta e da desavença floresça, pois estas podem gerar graves consequências como nos admoestou o Mestre. Outrossim, o sábio Salomão em sua sabedoria afirmou que “o que semear a perversidade segará males” (Pv 22:8); e, falando da boa semente, o salmista declara: “Aquele que sai chorando, levando a semente para semear, voltará com cânticos de júbilo, trazendo consigo os seus molhos” (Sl 126:6).

Pela leitura dos trechos das Escrituras mencionados acima, percebemos que este principio é antes de tudo uma lâmpada para guiar os nossos pés (Sl 119:105), tanto individual quanto coletivamente, enquanto Corpo de Cristo; precisamos entender que o relacionamento com os demais membros deste Corpo funciona na base da semente e da colheita, assim como nosso relacionamento com o Criador. Lembrando que é o próprio Senhor Deus que nos dá a boa semente (I Cr 29:14; II Co 9:10) para semear, mas a decisão de semeá-la ou não é nossa responsabilidade. Assim, precisamos refletir com maior profundidade o quanto esta lei da semeadura nos afeta enquanto músicos e cantores, individualmente, e em especial, enquanto ministério de louvor na Casa de Deus.

Em primeiro lugar, podemos refletir que o nosso louvor a Deus é, antes de tudo, um sacrifício e o “fruto dos lábios que confessam o Seu nome” (Hb 13:15); logo, a semente deste fruto é a própria confissão. Sendo assim, é mister que analisemos se as nossas vidas realmente confessaram Cristo como Salvador, e manifestam os resultados desta confissão, pois sem que esta semente esteja presente em nossas vidas, o nosso louvor não passará de palavras e notas insignificantes, às quais o profeta Isaías já profetizou: “Este povo se aproxima de Mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de Mim” (Mt 15:8).

Em segundo lugar, os músicos e cantores da igreja local precisam semear a semente da preparação e do esmero, visando o constante aperfeiçoamento e excelência. A Bíblia admoesta àqueles que louvam ao Senhor: “Cantem-lhe uma nova canção; toquem com habilidade ao aclamá-lo” (Sl 33:3). Para atingir este patamar, é necessário o desenvolvimento de habilidades específicas relativas ao seu instrumento, que só virá com bastante tempo de ensaios e estudos teórico-práticos, e claro, com a ajuda do Senhor: “Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás” (Ec 11:1). Em terceiro lugar, é preciso semear muito amor, companheirismo, cumplicidade, submissão e unidade no ministério de louvor. Muitas equipes de louvor perecem pela escassez destes elementos; uma forma de estar semeando e regando estas sementes é procurando passar um tempo juntos, além do horário de ensaio, para participar de atividades regulares de lazer e comunhão, bem como reuniões administrativas e de oração, reguladas pelos frutos do Espírito (Gl 5:22), em especial o da longanimidade e o da temperança. É necessário que os membros do grupo sejam ouvidos pelo seu líder, e também que aprendam a ouvi-lo, pois dessa forma estarão praticando o princípio de Efésios 5.21, e semeando uma boa semente, que no futuro será colhida por um grupo coeso e equilibrado, capaz de conduzir toda a congregação não apenas na execução de belíssimos cânticos congregacionais, mas sobretudo como exemplo de amor e de fidelidade.

Devemos ter muito cuidado com a semente que plantamos, pois embora possamos escolher qual semente semear, não podemos fazer o mesmo em relação à colheita: “Tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna.” (Gl 6:7-8)

Por fim, o apóstolo Paulo certa vez declarou: “Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele” (I Co 9:23). Precisamos a cada dia ter isto em mente: somos cooperadores do evangelho, e através de nós o Senhor tornar-Se-á conhecido e será glorificado! Que cada crente envolvido com a Música possa dizer o mesmo, para a glória do Redentor, e decidido a semear aquilo que o Senhor nos ordena! Que o Senhor possa continuar nos abençoando, dando-nos as sementes que precisamos semear para o engrandecimento de Sua obra na terra!

Soli Deo Gloria!


*Texto publicado também no Jornal Há Esperança 23ª Edição (página 12), de Montes Claros-MG, mantido pela Web Rabio Há Esperança.